Noticias

3ª Caminhada da AIDS alerta, conscientiza e defende direito de pessoas com HIV

Com muito humor e alegria, participantes da 3ª Caminhada da AIDS, no domingo, despertaram a simpatia das pessoas nas ruas e nos edifícios localizados na tradicional Rua Augusta para a causa da prevenção e também do respeito às pessoas que contraíram o vírus do HIV e que tem direito a uma vida saudável e sem preconceito.
A iniciativa da Prefeitura de São Paulo, por meio da Coordenação de Políticas LGBTI, da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania, contou com a participação de dezenas de pessoas, enquanto um trio elétrico, com DJs e Drag Queens puxava o cortejo, animava e conclamava a população a participar.


O “esquenta” teve início por volta da 9h30, nas imediações do Parque Augusta, e a caminhada começou pouco depois das 11h. Os participantes seguiram até as proximidades da Avenida Paulista onde uma Unidade Móvel LGBTI já estava estacionada para atender os interessados em saber mais sobre os programas da Prefeitura para a comunidade LGBTI. Mais adiante, outra unidade móvel, da Secretaria Municipal da Saúde, atendia os interessados em fazer testes rápidos de HIV.

Este foi o terceiro ano consecutivo da Caminhada da AIDS de São Paulo, sendo que a primeira foi realizada em 2 de Dezembro de 2017. O modelo são as iniciativas do gênero promovidas nos Estados Unidos e que incentivam a participação de toda a sociedade, uma vez que a prevenção interessa a toda a população.

Em São Paulo, o número de casos de AIDS caiu 9% em 2017 com relação ao ano anterior, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, o que revela que as pessoas estão mais conscientes e que a cidade está conseguindo ampliar o tratamento e evitando que a doença progrida.


A principal forma de contaminação continua sendo pelo sexo (87% dos novos casos) e a doença afeta a pessoas de diferentes orientações sexuais. Além da queda no número de casos, outra boa notícia é a queda na mortalidade por AIDS, que na capital caiu de 6,1 casos por 100 mil habitantes em 2016 para 5,4 casos em 2017.

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button
Close
Close
WhatsApp chat
X